Publicado por: mdantasjr | 24/07/2007

Redes WAN – básico.


WAN – Wide Area Network. É uma rede de comunicação de dados que cobre uma área geográfica relativamente extensa e que oferece transmissão de dados providas por operadoras, como empresas de telefonia.
As tecnologias WAN geralmente funcionam nas três primeiras camadas do modelo OSI: física, enlace e rede.

REDE – X.25, PLP
ENLACE – LAPB, FRAME-RELAY, HDLC, PPP, SDLC
FISICA – X.21, EIA/TIA 232, EIA/TIA-449, V.24, V.35, HSSI, G.703, EIA-530

Links ponto-a-ponto
Prover um link ponto-a-ponto simples, uma rota de comunicação WAN pré-estabelecida pelas premissas do consumidor através de uma portadora de rede, como uma empresa de telefonia, para uma rede remota. Linhas ponto-a-ponto são geralmente alugadas de uma portadora, também chamadas de linhas alugadas ou privadas. Para uma linha ponto-a-ponto a operadora fornece um par de fios e fornece o hardware para sua linha somente. Os circuitos são precificados baseado na largura de banda e distância entre os pontos conectados. Links ponto-a-ponto são mais caros do que serviços compartilhados como frame-relay.

Comutação de circuitos
Conexão de dados sob circuitos comutados pode ser iniciada quando necessário e terminada quando a comunicação estiver concluída. Semelhante a um telefone. ISDN (Integrated Services Digital Network) é um exemplo de comutação de circuitos. Quanto um roteador tem um dado a ser enviado a um local remoto, o circuito comutado é iniciado com o número do circuito da rede remota. Quando as duas redes são conectadas e autenticadas, eles podem transmitir dados e, quando concluída a transmissão a chamada é encerrada.

Comutação de pacotes
A comutação de pacotes é uma tecnologia WAN em que os usuários compartilham recursos comuns da operadora. Permite uso mais eficiente da infra-estrutura, o custo para o consumidor é mais baixo do que nas linhas ponto-a-ponto. Numa configuração de comutação de pacotes, as redes têm conexões para a rede da operadora, e muitos consumidores podem compartilhar a mesma conexão. A portadora pode criar circuitos virtuais entre localidades dos consumidores pelos quais os pacotes de dados serão entregues um ao outro através da rede da operadora. A rede da operadora que é compartilhada é geralmente chamada de nuvem.
As conexões virtuais entre as localidades dos clientes são chamadas de circuitos virtuais.
Como exemplos temos:
ATM (Asynchronous Transfer Mode), Frame Relay, SMDS (Switched Multimegabit Data Services), X.25.

Circuitos virtuais de WAN
Um circuito virtual é um circuito lógico criado numa rede compartilhada entre dois dispositivos de rede. Temos dois tipos de circuitos virtuais:
SVC (Switched Virtual Circuit)
PVC (Permanent Virtual Circuit)

SVC
São circuitos virtuais que são dinamicamente estabelecidos sob demanda e encerrados quando a transmissão for concluída. A comunicação sob um circuito virtual é composta por três fases:
Estabelecimento do circuito – cria o circuito virtual entre os dispositivos de origem e destino;
Transferência de dados – transmissão de dados sobre o circuito virtual
Encerramento do circuito – encerra o circuito entre os dispositivos de origem e destino.
São usados nos casos em que a transferência de dados entre os dispositivos é esporádica, largamente porque circuitos virtuais aumentam a largura de banda usada devida para as fases de estabelecimento e encerramento do circuito, mas diminuem seu custo associado com a disponibilidade de circuito virtual constante.

PVC
É um circuito virtual estabelecido permanentemente que consiste em um modo: transferência de dados. São usados em situações onde a transferência de dados entre circuitos é constante. Diminuem a largura de banda associada às fases de estabelecimento e encerramento dos circuitos virtuais, aumentando o seu consumo devido à disponibilidade de um circuito virtual constante.
Os PVCs são configurados pela operadora sob necessidades dos clientes.

WAN DIALUP SERVICES – Serviços de discagem WAN
Serviços de discagem oferecem métodos de custo efetivo para conectividade através de WANs. As mais comuns implementações são DDR (Dial on Demand Routing) e dial backup.
DDR é uma tecnica segundo a qual um roteador pode dinamicamente iniciar uma chamada quando necessita enviar dados. Numa configuração DDR, o roteador é configurado para iniciar uma chamada quando certos critérios são definidos, tais como um tipo particular de tráfego de rede que necessite ser transmitido. Quando a conexão é feita, o tráfego passa pela linha. A configuração do roteador especifica um tempo de inatividade para descartar ou desconectar o circuito.
Dial backup é um tipo de DDR. O circuito comutado é usado para prover backup (cópia) a um outro tipo de circuito, como ponto-a-ponto ou comutação de pacotes. O roteador é configurado para que quando uma falha for detectada no circuito primário, a linha de dial backup é iniciada. A linha de backup mantém o circuito até que o circuito primário seja reestabelecido e então o circuito de backup é encerrado.

Dispositivos WAN
Como dispositivos usados em conexões WAN temos:
Switch, servidores de acesso, modem, CSU/DSU, ISDN terminal adapters, switch ATM, multiplexadores.

Switch WAN
É um dispotivo multiporta inter-redes usado em redes das operadoras. Comutam tráfego como Frame Relay, X.25, SMDS, operam na camada de enlace do modelo OSI.

Servidor de acesso
Age como um ponto de concentração para recebimento de chamadas (dial-in) e discagem de retorno (dial-out) também.

Modem
O modem é um dispositivo que interpreta sinais analógicos e digitais, possibilitando a transferência de dados sobre a linha telefônica. Na origem, sinais digitais são convertidos numa forma adequada para transmissão analógica, no destino os sinais analógicos são recompostos à sua forma digital.

CSU/DSU
Channel Service Unit/Digital Service Unit é um dispositivo de interface digital usado para conectar um roteador ao circuito digital como uma linha T1. O CSU/DSU provê temporização de sinal ou clock para a comunicação entre estes dispositivos.

ISDN Terminal Adapter
Dispositivo usado para conectar ISDN BRI (Basic Rate Interface) a outras interfaces, como EIA/TIA-232 a um roteador. Um adaptador terminal é essencialmente um modem, embora seja chamado de adaptador terminal porque atualmente não converte sinais digitais em analógicos.

About these ads

Responses

  1. I liked so much

  2. eu acho que é uma coisa muito interressante!!!!!

  3. Muito bom o assunto, bastante resumido,prático e de fácil assimilação.

    • Obrigado pelo comentário…

  4. Nada é mesmo por acaso, mas tudo tem seu tempo certo para madurar.
    Há tantos anos por aqui, atuando em redes mas blogando por Meio ambiente e Espírita desde sempre, agora fazendo facul, procurando material sobre comutação de ciruitos, encontrei seu Blog. Parabéns pela iniciativa e espero que visite os meus se tiver tempo. Disponibilizo também no Fb e no Orkut.

    Abraço fraterno,
    água e luz.

    • Claudia,

      obrigado pelos comentários. Estou um pouco ausente deste trabalho que tanto gosto, mas breve voltarei a escrever.
      Quais os seus blogs? Facebook?


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 104 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: